Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2011

andrea giacobbe:

o fotógrafo italiano andrea giacobbe já teve seu trabalho destacado por publicações como the face, marie claire, the new york times magazine, dentre várias outras; clicou artistas tão diferente e interessantes quanto marilyn mason, beck, chemical brothers e björk; dirigiu vídeos de garbage, nine inch nails e atari teenage riot; além  já ter sido louvado pela crítica especializada... talvez por ignorância, talvez por distração, ainda não conhecia quase nada do que listei acima. daí que não quis perder tempo e selecionei algumas das suas imagens para este post de quinta...

outras pessoas:

nesta quarta-feira, 29 de junho, amanhã, acontece (no teatro álvaro de carvalho, centro da ilha) o show de lançamento do epoutras pessoas, do cantor/compositor silvio mansani. conheci o músico há dez anos, quando participamos de um dos festivais de música que o sesc de santa catarina organizou na primeira metade da década passada. naquele mesmo ano, 2001, o primeiro disco do artista chegou a rua: minérios combustíveis da alegria. desde então, sou admirador de sua esparsa produção. esparsa pois ao longo destes anos foram apenas dois álbuns (o segundo lançado no inicio deste 2011), além de um projeto especial (infantil), composto em parceria com emílio pagotto - no dorso do rinoceronte. ou seja, este é um bom motivo para aproveitar/prestigiar o momento de produtividade do artista...
outras pessoas, o ep, que tem produção e arranjos deandré mehmari, já está disponível para download (gratuito!) no site do cantor. é curioso como, por causa das cordas (do quinteto de cordas catarinense) e do…

o grão pará, o terruá e o felipe cordeiro:

quando soube do evento terruá pará(acontecido em são paulo no último fim-de-semana),através do amigo fabrício rocha, da rádio cultura de belém, fiquei feliz e curioso. queria estar lá. e não seria algo tão difícil já que estava no rio e poderia estender minha estadia... não deu, não desta vez, além dos contra-tempos que tive pouco antes de minha ida, acabei por fechar um trabalho justo no dia do tal terruá... mas acompanhei de longe as notícias do evento - via twitter, blogs, facebook. 


mas vim aqui não para comentar o que não vi, não ouvi, mas para contar o que não houve... havia um evento programado, pela assessoria de cultura da escola sesc de ensino médio, para este primeiro semestre que teria o pará como tema. eu e outros artistas produtores seriamos os curadores da mostra que, infelizmente, foi cancelada - em cima da hora... se a coisa tivesse acontecido como planejado, minha aposta, para representar o estado na parte musical (ainda haveriam representantes da literatura, teatro, …

porto belo, frio, fam e preguiça:

porto belo é uma cidadela praiera e friorenta e linda. parece vazia num dia invernal como este. a despeito do céu parcialmente cinza, é lugar perfeito para escrever, ouvir música & comer, beber, namorar (além, claro, de se deixar ouvindo/vendo o mar). catei esta lan house depois de uma longa caminhada na areia. não gostaria de perder a regularidade das minúsculas... no mais, esta semana tem fam e adoraria ver todos os amigos de florianópolis por lá – até porque (admitamos), nem temos tantos programas assim por agora, não?!?


a imagem que ilustra esta fala é do já citado () ruslam lobanov.

gainsbourg - vida heróica:

gainsbourg - vie heroique no original ou o homem que amava as mulheres, como o subtitularam (porcamente, "pra variar") no brasil, é uma ótima dica para quem pouco conhece do compositor francês. sou destes. de seus discos havia ouvido apenas um, de 1971 (um presente de monsieurguilherme zimmer). mas o filme, como um boa biografia cinematográfica, além de não tentar reproduzir fielmente o universo e a vida do artista (para isso servem os bons livros) consegue despertar em sua audiência a curiosidade sobre seu objeto... (aliás, seria provavelmente um grande equívoco tentar retratar ipsi literis uma figura complexa como a do polêmico compositor)


penso que cairia bem no feriadão dos que tiverem tempo para um filme e um vinho em boa companhia. ainda mais para os que se interessam por criaturas como brigitte bardot, juliette gréco, jane birkin... não deixo de citar ainda as boas atuações, o roteiro (do também diretor joann sfar) cheio de poesia e o capricho de fazer cada ator parece…

pop dell'arte:

estou na casa de um amigo, no rio (estive até ontem num hotel, mas a mamata acabou - e recomeçou na sequência...). daí que este amigo acaba de retornar de uma viagem a portugal e me trouxe de presente um cd, coletânea, do grupo (pós punk) pop dell'arte (uma coleção portuguesa, vendida em bancas, que une quadrinhos e música pop)... jamais havia ouvido falar na banda, mas gostei imediatamente do seu som e de suas performances - que descobri agora a pouco, no youtube... vá atrás, vale a pena conhecer a música e as letras de joão peste (vocalista e idealizador do projeto). surgida em meados dos anos 80, a pop dell'arte me faz voltar a velha pergunta (recorrente nas minúsculas): para quê querer apenas o querem nos empurrar os grandes veículos anglo-americanos?


noize e outras coisas bacanas:

orio de janeiro continua rindo, o rio de janeirocontinua lindo, o rio dejaneiro continua indo. mas não quero listar suas belezas agora. estou aqui fazendo alguns trabalhos (citados nopostanterior), daí que um amigo me mostrou a entrevista que o produtor fábio de souza deu ao jornal destaknesta última quarta (leia aqui, página 13) – lá ele conta como o cenário musical da cidade andamal das pernas(nada diferente do que acontece em boa parte dobrasil), me fez querer entrar neste assunto tão batido. mas pra quê? refleti em seguida.
então me veio a mente outro lado da história: as iniciativas bacanudas, as que dão certo. ou os projetos que, ignorando as previsões pessimistas, apontam novos caminhos, novas saídas... a despeito das dificuldades. iniciativas como as revistasnoizeecatarina(ou ocoletivo catarina, que promoveu no último fim-de-semana osul fashion week, emflorianópolis- participei do evento coordenando duas mesas de discussão). dacatarinanão preciso falar muito, fui colaborador da…

o nome do dj:

a verdade é que eu não sou um dj propriamente. alguém que se dedica a isso como seu principal meio de vida, seu objeto de dedicação ou algo que o valha. sou um interessado no assunto, alguém que, apaixonado pela música produzida nos dias de hoje, estuda os desdobramentos que esta profissão tem sobre a produção contemporânea... sou alguém que entende que ser um dj é menos dominar uma técnica e mais (ou também) ser um seletor de alguns dos muitos caminhos da produção artística do seu tempo (e compreender que há certa responsabilidade em assumir este "papel"). 

a despeito desta espécie de confissão, mea culpa (talvez), estou a caminho do rio de janeiro para, dentre outras coisas, ministrar uma oficina sobre o assunto ("discotecagem: construindo ambiente de festa"). será um desafio delicioso. não apenas pela troca que pretendo fazer com os "oficineiros" (garotos da escola sesc de ensino médio, internato que recebe alunos de todo brasil). mas também pela idéia …

adanowsky:

adan jodorowsky, ou simplesmente adanowsky, é francês de nascimento, mas filho de uma mexicana e um chileno - informação que talvez ajude a entender a mistura em sua música. fez parte da banda hellboys (entre fins dos anos 1990 e meados da última década) e atualmente está em carreira solo. os vídeos abaixo divulgam seu último trabalho, amador... há um novo, etoile eternelle, a caminho.

Adanowsky - Un sol con corazón from Adanowsky on Vimeo.

You are the one (feat. Devendra Banhart) from Adanowsky on Vimeo.

meus discos preferidos - chico buarque:

entre os discos de chico buarque, o meu preferido não é o mais "óbvio" na preferência dos fãs, críticos, músicos: construção, de 1971. aquele que levaria para uma ilha deserta, caso me mandassem para lá, e me deixassem levar discos (e um aparelho de som, e caso lá houvesse também energia elétrica...) seria o que leva o nome do autor e que foi lançado em 1989. (não que eu não ame construção, longe disso...)
descobri chico buarque, ou o disco preto & branco, como chamam alguns, anos depois de seu lançamento. comprei o vinil num sebo, sem saber o que estava levando... grande acerto! os malditos tecladinhos ivan lins, típicos dos discos de "mpb" nos 80's, estão lá, mas isso não chega a atrapalhar o brilho de jóias como morro dois irmãos, tanta saudade (parceria com djavan, que na versão de chico ganhou um arranjo um tanto "indançavel", mas delicioso) e valsa brasileira (lançada no ano anterior, era parte da trilha dança da meia-lua, composta com edu lo…

um instante, maestro:

breve interlúdio para manter a regularidade... ou um passeio no mundo (livre?) enquanto seu lobo não vem... ou mais nova possível oportunidade de levar pedradas... ou mais fragmentos ainda:
subtítulos podem, às vezes, dizer mais...
roberto carlos é o rei do nhém-nhém-nhém.
quem tem raiz é jatobá.
o gosto médio está abaixo da média.
o rio de janeiro continua indo.
e agora?
p.s. não me apreçe sem apresso: ç’eu quizer bebê eu bebo, se eu quizer...
_________________________
o textinho acima foi publicado em 2007, em minha finada colunajean mafra em minúsculas(na época do site tô puto). coube perfeitamente aqui, neste meu momento (de pausa forçada).
curioso como levava pedradas de mil e um fakes por conta de algumas de minhas falas. parte dos que me atacavam, ou quase todos, agiam assim independemente do que eu escrevesse. a idéia era bater. suponho que muitos nem me liam.
alguns anos atrás a escritora clara averbuck contou que abandonou seu blog (ou primeiro que teve e que acabou por servir de …

tempo tempo tempo tempo:

a vida segue, continua e continua. e embora diferente, ela pode ser ainda melhor. como quem já não está com a gente gostaria que fosse. estes últimos dias foram tristes para mim. perdi alguém muito importante e muito presente em minha vida. esse sol e esse frio que nos acompanharam ao longo da semana, me fizeram bem. me fizeram acreditar no poder do tempo.


tempo tempo tempo tempo, vou te fazer um pedido...


hoje, daqui a pouco, discoteco em uma festa. um trabalho já há muito programado, mas que não pensei em cancelar, por saber o quão me fará bem dançar e ajudar outras pessoas a dançar e se divertir.


...compositor de destinos, tambor de todos os ritmos, tempo tempo tempo tempo...


ainda falarei da minha perda. mas não hoje. não consigo. david mattos fez um texto a respeito em seu blog, caso interesse saber.


...peço-te o prazer legítimo, (...) quando o tempo for propício, tempo tempo tempo tempo.